Muito Obrigado, José Manuel Ramos-Horta

Jose-Ramos-Horta5

I am very touched by the very kind words about my work in Guinea-Bissau, on the blog simintera.com. The same sentiments, maybe in much simpler ways, I hear from almost everyone in this beautiful country. I am just happy for the people, the poor and forgotten, the street and market vendors, who might now have a better chance to live without fear, in safety and tranquility of mind.

Estou comovido pelas palavras simpáticas sobre a minha missão na Guine-Bissau, os mesmos sentimentos, talvez em termos mais simples, os quais oiço de quase todos nesta terra bonita. So fico feliz por este povo, pobre e esquecido, pelos vendedores de rua e dos mercados, que talvez tenham agora uma melhor chance de vivem sem medo, em segurança e tranquilidade.  

See the post.

Como as para breve tomadas de pose dos três principais novos órgãos da nossa soberania nacional, a saber: Presidente da República, Assembleia Nacional Popular e Governo, o nosso país vai concluir então mais um período da de todas infelizmente conhecidas, a mais indesejável transição política. E como todos os indicadores apontam, que seja mesmo a última.

Muitas coisas desagradáveis aconteceram, e ainda estão a acontecer. Mas foram, e são momentos que serviram, e servirão também, (espero) para reforçarmos uma consciência cidadã, e começarmos a valorizar melhor, todos os factores que contribuem para a plena garantia da paz social, mesmo quando a pobreza se faz companhia constante.

 

Diversos esforços foram feitos, e estão a ser conjugados, para que definitivamente, a partir de um certo dia do corrente ano, o nosso país comece a trilhar nos caminhos de desenvolvimento para o merecido progresso, objectivo pelo qual lutaram e tombaram muitos, até conseguirmos conquistar a nossa independência. E como um dos muitos cidadãos guineenses destroçados com as miseráveis consequências dos desmandos na cúpula do poder político, que mais acentuaram ao longo desses últimos anos, devo agradecer todas as disponibilidades, e retribuir, dentro dos limites das minhas competências, e da esfera das influências, ao meu alcance, empenhando com total dedicação, no cumprimento das leis da República, observando outras regras presentes, para uma boa convivência, nas comunidades. Mas desta vez, vim, através deste texto, agradecer de maneira modesta, mas muito sentida, o actual representante do Secretário-Geral das Nações Unidas no nosso território, o cidadão timorense, José Manuel Ramos-Horta, que a tardia opção paciente, e eficaz, a ala diplomática lusófona conquistou para nossa sorte, na conhecida disputa pós um certo 12 de Abril, por tudo que tem conseguido, no quadro duma missão, que logo de início, se sabia bastante complexa. Com uma táctica que consistiu em transmitir a mensagem de humildade, proporcionou o fundamental ambiente de confiança mútua, para paulatinamente endurecer nos discursos e nas tomadas das medidas necessárias, tanto no plano interno, nas interacções com os diferentes grupos de interessas em conflito, assim como no plano internacional, nas várias iniciativas diplomáticas, para o equilíbrio dos interesses geopolíticos centrados na nossa zona de inserção regional. Consciente das dificuldades que também enfrentam os seus concidadãos timorenses, sacrificou-os na mobilização de significativos meios financeiros, a esses pertencentes, cerca de seis milhões de dólares, e envolveu o próprio Governo deste distante país asiático, irmão do nosso país africano, que resolveu criar mesmo uma espontânea Missão de Apoio ao Processo Eleitoral na Guiné-Bissau, para conseguir colocar uma equipa de técnicos timorenses, especializados em burocracia dos processos eleitorais.

Tendo reclamado com fundamento legal, a tutela na resolução dos conflitos em toda a extensão do seu território comunitário, embora mais por cinismo das conveniências, do que por devido sentido de dever, e responsabilizado pelas Nações Unidas, CEDEAO tomou finalmente em mãos, a condução do nosso, em quase todos os aspectos, vergonhoso período de transição política, para nos ficar a plena certeza de que, se por ventura, não nos calhasse o comum mortal, José Manuel Ramos-Horta, e o Governo do seu distante país Timor-Leste, ainda estaria por realizar, umas esperançosas eleições, para mais uma vez, tentarmos livrar das constantes humilhações, a nos serem impostas, por alguns guineenses, que na obsessão de acumularem bens materiais, sem que tenham mínimas capacidades, para satisfazerem, à medida dessas suas ambições fúteis, vivem infelizes.

 

Flaviano Mindela dos Santos

6 thoughts on “Muito Obrigado, José Manuel Ramos-Horta

  1. Luis Nascimento

    tocante, e o seu autor, revela uma consciência cidadã, expressa pela esmagadora maioria do Povo.

    Reply
  2. Flaviano Mindela dos Santos

    Prezado José Manuel Ramos.Horta,

    A satisfação é tanta, que só consigo dizer que sinto-me honrado pela partilha do meu artigo aqui no seu prestigiado espaço, e desejar-lhe uma longa vida, cheia de saúde, e prosperidades sempre, ao lado da família.

    Reply
    • Jose Ramos-Horta

      Caro Irmao Guineense Mindela,

      Uma vez mais, sensibilizado pelas suas palavras muito generosas, na sua
      apreciação da minha missão nesta Terra de Deus e de Amilcar. Fiz o que
      soube e pude para ajudar este seu belo povo. Os dias, semanas, meses e
      anos seguintes pertencem aos lideres eleitos e ao povo que os elegeu.
      Quero acreditar que nao haverá mais interrupções abrutas no ciclo
      democrático da Guine-Bissau. O dialogo, o ouvir muito e conversar,
      a comunicação frequente entre os lideres e o povo, dialogo
      entre os governantes e a chefia militar, governantes e acadêmicos e
      estudantes, governantes e classe empresarial, entre os governantes
      e os Homis Garandis das Tabancas, Regulos e Religiosos – ajudaria muito
      a consolidar a paz, estabilidade e a Ordem Constitucional nesta vossa
      abençoada Terra. Rogo a Deus que continue a olhar pelo Bom Povo da
      Guine-Bissau. J. Ramos-Horta

      Reply
  3. Jose Taveira

    Muito parabens para Prof. Dr. Jose Ramos Horta, aqui estamos em Timor, tambem Precisamos muito Voce, sinto me Orgulho com toda seu trabalho, GBU

    Reply
  4. Evangelino Gomes

    Muito Parabens Maun bot, exporta nafatin paz e dame ba mundo rai klaran, kumpriemntus husi Toquio

    Reply
  5. Armindo de Jesus

    Muito parabens Dr. JRH, como Timorense estou orgulho pelo seu trabalho que mostrou para mundo em Guinea Bissau.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>