Mr. President
Mr. Secretary-General
Honorable Heads of State and Government
Ladies and gentlemen

On my own behalf and on behalf of the President of the Republic José Mário Vaz and the State and People of Guinea-Bissau, I congratulate Your Excellency Sam Kutessa for your election to the honorable and distinguished office of President of this 69th Session of the General Assembly.

Your election in this most representative institution of the International System pays tribute not only to Uganda, your country, but also to the entire African continent. I therefore welcome you and wish you success in guiding the work of this great and august assembly.

We are grateful to the United Nations, particularly to Secretary-General Ban Ki-moon, for the attention given to Guinea-Bissau and for the important contribution of the United Nations Integrated Peacebuilding Office in Guinea-Bissau toward the process of political normalisation. We would also like to say a special word of appreciation to the former Special Representative of the Secretary-General of the United Nations, President José Ramos-Horta, for his friendship toward Guinea-Bissau and for his dedication to the mission.

We appreciate and thank the Democratic Republic of Timor-Leste, their government and their people. When they saw the need of their sister nation, they extended a hand of friendship and provided valuable and extraordinary support for our country to overcome our crisis. Please accept the gratitude of the people of Guinea-Bissau.

The sub-region provided financial support for our government to function, which was key for us to arrive at this juncture today.

We wish to say a word of appreciation and profound recognition to the ECOMIB forces, which carried out their mission with professionalism and ensured a peaceful and orderly transition. We likewise applaud the efforts made by all political actors in Guinea-Bissau and our international partners toward reaching the consensus required to maintain an international stabilisation force after the period of this current term.

We wish to recognise and thank all the member countries of ECOWAS for their support, particularly my friend and brother, President Goodluck Jonathan of Nigeria, who chaired the Contact Group on Guinea-Bissau and provided additional and valuable support to our country. I pray to God almighty for peace and tranquility for his country and well-being for his people. And we are deeply grateful to President Alpha Condé, who mediated the crisis in Guinea-Bissau.

Finally, we express our profound recognition and gratitude to all our international partners, namely the United Nations, the African Union, ECOWAS, CPLP, the European Union, UEMOA, and OIF, whose support was important in monitoring and managing the political transition process, as well as in holding free, transparent, and fair general elections in our country.


Mr. President,

I would further like to share with you that the Bissau-Guinean society has renewed its hope for a new political cycle and to assure you of our political will and deep commitment to consolidating political stability, revitalising and strengthening the State’s capacity, and creating the basic conditions for the dreams of our people to come true.

Guinea-Bissau is a post-conflict State with fragile institutions and scarce financial resources, suffering the severe political, economic, environmental, and social consequences of our crisis. Therefore, our country faces a complex and difficult situation and calls on the International Community for assistance, which will be essential in stabilising our country in this post-election period. Guinea-Bissau must strengthen the State’s institutional capacity, reduce poverty and the vulnerabilities of our people, ensure social stability, legitimise our government, and relaunch our economy.

This approach to international assistance, which is at the center of our dialogue with our international partners, is based on the government agenda, which has three key components: Urgent Program, Contingent Program, and Medium-Term Development Program.

Under the Urgent Program, we must ensure food safety and social stability through support for agricultural production and distribution, improve access to food and income for part of the population, prove basic health, education, and water and power supply services to the population, as well as pay civil servants’ overdue salaries. This program also includes a health emergency plan of action to prevent and respond to the threat of an Ebola epidemic.

The objective of the Contingent Program is essentially to ensure transparency and accountability in all natural-resource concession and exploitation agreements, and to put an end to the nefarious procedures that resulted in the plundering of our country’s forestry and fishery resources during the last two years.

The Medium-Term Development Program will be submitted to our international partners in a Donor Conference to be held late this year or early next year, for which we request the essential support of the United Nations and all multilateral and bilateral partners.

We now begin to face the challenge of rebuilding a new Guinea-Bissau, fully aware of all the problems, but filled with a patriotic spirit of collective drive and unity among all Bissau-Guineans and, in particular, among all political actors and sovereign institutions, and with full confidence in an inclusive government that includes all political parties that are represented in our Parliament, as well as Civil Society and the Diaspora. This confidence was significantly enhanced by our National Parliament’s recent unanimous approval of the Government’s program, which is unprecedented in the history of our democracy.

While it is true that the ongoing process of political stabilisation and normalisation of the democratic institutions in Guinea-Bissau depends on a major national effort, it will also require unequivocal and urgent support from our regional and international partners. We must structure and coordinate our actions based on the goals established under the Government’s program in order to lay the foundations for our country to change course and become viable.

In this context, three situations demonstrate how imperative it is for us to combine our efforts: 1 – The ongoing process of Defence and Security Sector, including extensive steps taken in recent days toward its reorganisation; we need international support in order to make them sustainable and irreversible; 2 – Extending the State’s presence in the national territory in an effective and organised manner through decentralisation and local elections; the Government will lay the foundations for the municipal administrations to become operational and adopt the National Territory Organisation Policy; 3 – The extremely complex task of combating drug trafficking and organised crime; our country’s efforts will be successful only through a collective and objective approach.


Mr. President,

Guinea-Bissau needs a robust and impactful intervention from our development partners in order to consolidate the success of our political transition but also to lay the foundations for a transition toward development. We request the reactivation of the International Contact Group on Guinea-Bissau under the auspices of the United Nations, for the purposes of monitoring the domestic situation in our country and supporting the mobilisation of international aid, which is key for our country to face the challenges in our future.


Excellencies,

The new authorities in Guinea-Bissau, our Parliament, the President of the Republic, and our Government chose an inclusive dialogue and political coordination as the preferred tools in our efforts to consolidate political stability and create a wide consensus around the main thrusts of governance.

Therefore, in addition to strengthening the democratic legitimacy of our political institutions, we wish to take clear, unequivocal, and decisive steps to build large consensus on the main issues facing our society, anchored in a Political Protocol that established the main areas of legislative and executive action, including issues related to reforming the State, revising the Constitution, and rebuilding the economy. A sign of this power-sharing vision for the resolution of our main problems is the inclusion of the opposition leader as part of this delegation, to show the world, together, that Guinea-Bissau can embark on a path of harmony and stability.


Excellencies,

Our sub-region, West Africa, is confronted by an Ebola epidemic, which places several countries of ECOWAS, our Community, under direct threat. Allow me to offer Guinea-Bissau’s solidarity toward our sister nations where cases of contamination have been identified.

I would also like to note our appreciation for the international efforts in providing urgent medical assistance and call on the International Community to enhance their commitment and support in combating and preventing this epidemic. We also appeal for the establishment of an effective international coalition to confront this grave threat to international security, as recently recognised by the Security Council.

In this regard, we would like to reaffirm our country’s position on reforming the Security Council. The enlargement of this important body of the United Nations is required in order to enhance the legitimacy of its representation and for the new international order under discussion.

From this perspective and in accordance with the African Union’s position, Guinea-Bissau calls for the designation of two permanent seats with the right of veto and five non-permanent seats in the Security Council for the African continent. We also voice our support for the designation of permanent seats in the Security Council for Brazil, Japan, Germany, and India.

I would like to offer our solidarity toward the peoples and countries that have fallen victim to international terrorism and to renew our Government’s commitment to contributing to the fight against this scourge under a framework of coordinated actions undertaken jointly with our regional and international partners, according to the specific nature of the actions.

We note with concern that the economic and financial embargo imposed against Cuba more than 50 years ago constitutes a serious obstacle to that country’s economic and social development, and reiterate our call for its lifting.


Mr. President,

We would like to applaud and encourage United Nations, particularly the Secretary-General, for their renewed efforts, vision and wisdom with regard to facing the issue of climate change and its effects on life on our planet. The Climate Summit, held here on the 23rd of this month, bears eloquent witness to this fact.

The basic thrusts that may allow for viable and sustainable development emerged and seem able to gather the required consensus for the establishment of a global Post-Kyoto climate regime for the welfare of all.

Sustainable Development Goals, the new global development paradigm to be established post-2015, must be rooted in the cultures and objective realities of the peoples and draw their inspiration, without a doubt, from the lessons of the Millennium Development Goals.

It should be noted that climate change is no longer a threat to the future; it has now become an unequivocal threat to the present. The incidence of climate changes that expose our vulnerabilities is now felt with increasingly unpredictable consequences.

Human, economic, and environmental losses in a vulnerable country such as Guinea-Bissau are expanding and threaten our survival and chances for development.

The rise of sea levels may irreversibly affect our seaside areas, entire islands, villages, and cities, as well as other coastal settlements. This situation is particularly worrisome for our country, which combines coasts and archipelagos, suffers the impacts of climate events, and may see our efforts toward combating poverty and achieving development goals compromised.

Despite all the difficulties that have challenged Guinea-Bissau’s efforts to fulfil our international commitments holistically, we are pleased to note that 12% of our national territory consists of protected areas, to be doubled by 2020.

Unfortunately, most of the population in developing countries with forests, such as Guinea-Bissau, continue to depend of these natural resources as their only means of survival. Therefore, in order to offset these initiatives, technological and financial alternatives must be made available to this population.


Mr. President,

I conclude my statement by thanking the United Nations and expressing our deep appreciation for the significant role that the Peacebuilding Commission has played in supporting the consolidation of political and governance stability in Guinea-Bissau.

I also recognise the institutions in the United Nations System, including UNDP, UNICEF, WFP, FAO, UNFPA, and WHO, as well as grassroots groups and nongovernmental organisations that work on a day-to-day basis with our Government in combating poverty and the vulnerabilities of our population, and advocate respect for human dignity.

The people of Guinea-Bissau expects strong involvement from your institutions in this new phase, in order for us to accelerate our efforts and come closer to achieving the Millennium Development Goals.  Guinea-Bissau is poised to transform our territory into a space of peace, human security, and openness for all who, together with our people, wish to build a more brotherly, secure, welcoming, and progress-oriented society with all peoples and cultures.

 

Thank you very much!

 

 

///// VERSÃO PORTUGUESA

 

Excelência Senhor Presidente
Excelência Senhor Secretário-Geral
Excelências, Senhores Chefes de Estado e de Governo
Minhas Senhoras e Meus Senhores

Permitam que dirija felicitações, em nome do Presidente da República José Mário Vaz, em meu próprio nome e em nome do Estado e do Povo guineenses, à Sua Excelência Sr. SAM KUTESSA, pelo cargo honroso e distinto de Presidente desta Sexagésima Nona Sessão da Assembleia Geral.

A eleição de Vossa Excelência, na mais representativa instituição do Sistema Internacional, é dignificante não só para o Uganda, vosso país, mas também para todo o continente africano. Por isso, constato com agrado e redobro os votos de sucessos na condução dos trabalhos desta magna e augusta assembleia.

Agradecer às Nações Unidas, particularmente ao Secretário-Geral, Senhor Ban Ki-Moon, pela atenção que tem dedicado a Guiné-Bissau e pela importante contribuição do Gabinete Integrado das Nações Unidas no nosso país para o processo de normalização política. Uma palavra de especial apreço ao antigo Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas, Presidente Ramos-Horta pela amizade demonstrada para com o povo guineense e todo o empenho consagrado a sua missão.

Saudamos e agradecemos a República Democrática de Timor-Leste, cujo governo e povo, apercebendo-se da necessidade do povo irmão da Guiné-Bissau, estendeu sua mão amiga e concedeu preciosos apoios, que representaram uma extraordinária contribuição na superação da crise Guineense. Por isso, os agradecimentos do povo da Guiné-Bissau.

A sub-região foi incontornável na manutenção financeira para o funcionamento do aparelho do Estado, factor determinante para chegarmos ao ponto em que nos encontramos hoje.

Queremos endereçar uma palavra de apreço e de profundo reconhecimento as forças de ECOMIB que, graças ao seu desempenho e profissionalismo garantiram uma transição pacífica e ordeira. Da mesma forma, saudamos os esforços de todos os actores politicos nacionais e dos parceiros externos no sentido de produzir o consenso necessário a favor da continuidade de uma força internacional de estabilização após o período do presente mandato.

Quero expressar o reconhecimento e agradecimento a todos os países da CEDEAO, em especial ao meu amigo e irmão presidente Goodluck Jonhatan da Nigéria, pelo apoio, não só na qualidade de presidente do grupo de contacto da Guiné-Bissau como também por todos os outros preciosos apoios autorgados ao meu país. Faço votos, que Deus todo poderoso lhe dê paz e tranquilidade no seu país para o bem estar do seu povo. E ao presidente Alfa Condé, na qualidade de mediador da crise Guineense.

Manifestamos finalmente o nosso profundo reconhecimento e gratidão a todos os parceiros internacionais, nomeadamente as  Nações Unidas, aUnião Africana, a CEDEAO, a CPLP, União Europeia, UEMOA, OIF cujo apoio foi importante no acompanhamento e gestão do processo de transição política, assim como na realização, no nosso país, de eleições gerais livres, transparentes e justas.


Senhor Presidente
,

Igualmente gostaria de partilhar a esperança renovada da sociedade guineense em relação a este novo ciclo político e dar-vos conta da nossa vontade política e profundo empenho nos processos de consolidação da estabilidade política, revitalização e reforço da capacidade do Estado e criação de premissas essenciais para a prossecução dos desígnios dos guineenses.

A condição de Estado institucionalmente frágil, pós-conflito e com parcos recursos financeiros, acrescida das consequências políticas, económicas, ambientais e sociais gravosas, colocam a Guiné-Bissau perante uma situação complexa e difícil para a qual a assistência internacional é chamada a exercer o papel fundamental de estabilizador, neste período pós-eleições, com vista a reforçar a capacidade institucional do Estado, reduzir a pobreza e as vulnerabilidades das populações, garantir a estabilidade social, assegurar a legitimação social da governação e relançar a economia.

Esta abordagem da assistência internacional, colocada no centro do diálogo com os parceiros externos, decorre da agenda da governação que se articula em três componentes essenciais: Programa de Urgência, Programa de Contingência e Programa de Desenvolvimento a médio prazo.

O Programa de Urgência contempla a garantia de segurança alimentar e estabilidade social, através do apoio à produção e comercialização de produtos agrícolas, melhor acesso aos alimentos e rendimentos por parte das populações, prestação de serviços básicos de educação, saúde e fornecimento de água potável e energia elétrica às populações, bem como a regularização de atrasados salariais dos agentes públicos. Um plano de ação de emergência sanitária, direcionado para a prevenção e resposta à ameaça da epidemia de ébola, está adicionado a este Programa.

O Programa de Contingência visa essencialmente assegurar a transparência e prestação de contas em todos os contratos de concessão e de exploração de recursos naturais, e estancar os procedimentos nefastos que levaram à pilhagem dos recursos florestais e haliêuticos do país durante os últimos dois anos.

O Programa de Desenvolvimento, a médio prazo, será submetido aos parceiros internacionais numa Conferência de Doadores a realizar entre finais deste e inícios do próximo ano e para o qual solicitamos o indispensável apoio das Nações Unidas e de todos os parceiros multilaterais e bilaterais.

Partimos para o desafio de reconstruir uma nova Guiné-Bissau com consciência clara dos problemas, mas imbuídos de um espírito patriótico de mobilização coletiva e união entre os guineenses e em particular, da classe política e dos órgãos da soberania com uma sólida base de confiança, baseada na formação de um governo inclusivo, integrando todos os partidos políticos com representação parlamentar e ainda a Sociedade Civil e a Diáspora. Essa confiança ficou particularmente reforçada, com a recente aprovação do programa de Goveno por unanimidade no parlamento nacional, algo inédito na tradição da nossa história democrática.

No entanto, se é verdade que o processo da estabilização política do nosso país e da normalização do funcionamento das instituições democráticas em curso na Guiné-Bissau dependem de um grande  esforço nacional, implicará também necessariamente um apoio inequívoco e urgente dos nossos parceiros regionais e internacionais, através de uma articulação e coordenação  das intervenções, sempre baseada nas metas do programa do governo, de modo a que possamos construir bases para mudar de rumo e viabilizar o país.

Neste quadro, três situações se configuram exemplares do quão imperativo é a conjugação desses esforços: 1 – processo de Reforma do Sector de Defesa e Segurança que vimos desenvolvendo e que nos últimos dias foi marcado por medidas profundas, visando uma reorganização para cuja sustentabilidade e irreversibilidade precisamos do concurso internacional; 2 – extensão da presença do Estado ao nível do espaço nacional de forma efetiva e organizada, através nomeadamente da descentralização e realização das eleições autárquicas, para o qual o governo irá lançar as bases para a operacionalizar o funcionamento dos municípios nos setores administrativos e deste modo adotar a Política Nacional do Ordenamento do Território; 3 – a extrema complexidade do combate ao narcotráfico e o crime organizado no qual os esforços nacionais só serão alcançados através de a uma abordagem coletiva e objetiva.


Senhor Presidente
,

O nosso país precisa pois, de uma intervenção robusta e impactante dos parceiros de desenvolvimento para a consolidação como um caso de sucesso de transição política, mas também para alavancar os pressupostos de uma transição para o desenvolvimento. A reativação do Grupo Internacional de Contacto para a Guiné-Bissau, que aqui reiteramos, sob a égide das Nações Unidas, cujas atribuições, focadas no acompanhamento da situação interna no país e no apoio na mobilização da ajuda externa, revela-se importante face aos desafios que o país tem pela frente nos próximos tempos.


Excelências,

As novas autoridades da Guiné-Bissau, o Parlamento, a Presidência da República e o Governo, elegeram o diálogo inclusivo e a concertação política como instrumentos privilegiados nos esforços de consolidação da estabilidade política e criação de largos consensos sobre os principais eixos da governação.

Com isto, para além de pretendermos reforçar a legitimidade democrática das instituições políticas, queremos de uma forma clara e inequívoca dar o passo decisivo para a construção de consensos alargados sobre os principais assuntos na nossa sociedade, ancorado num Protocolo político que definiu as grandes linhas de atuação legislativa e governativa, incluindo questões que se prendem com as reformas do Estado, a revisão constitucional e a reconstrução económica. Sinal desta visão da partilha de poder para a resolução dos nossos principais problemas, é aqui demonstrada pela presença do líder da oposição que integra esta comitiva, para juntos  demonstrar ao mundo que é possível a Guiné-Bissau enveredar pela concórdia e a estabilidade.


Excelê
ncias,

A nossa sub-região, a África Ocidental, está confrontada com a epidemia do ébola, colocando sob ameaça direta vários países da nossa Comunidade – a CEDEAO. Permitam-me manifestar a solidariedade da Guiné-Bissau para com todos esses povos irmãos a onde já se registaram casos de contaminação.

Igualmente, manifesto o nosso reconhecimento pelos esforços internacionais consentidos em matéria de assistência sanitária de urgência e apelamos a Comunidade Internacional para reforçar o seu empenho no apoio ao combate e prevenção desta epidemia, e para que seja constituída uma verdadeira coligação internacional para fazer face a esta grave ameaça à segurança internacional, conforme acaba de ser reconhecida pelo Conselho de Segurança.

Aqui chegado, gostaria de reiterar a posição do meu país sobre a reforma do Conselho de Segurança. O alargamento deste importante órgão das Nações Unidas impõe-se para o reforço da sua legitimidade representativa e para o novo ordenamento internacional em gestação.

Nesta ótica e conforme a posição da União Africana, a Guiné-Bissau advoga a atribuição de dois assentos permanentes, com direito de veto, e cinco assentos não-permanentes no Conselho de Segurança para o continente africano. Igualmente, manifestamos o nosso apoio para a atribuição de assentos permanentes no Conselho de Segurança para o Brasil, o Japão, a Alemanha e a Índia.

Gostaria de expressar a nossa solidariedade aos povos e países vítimas do terrorismo internacional e renovar o empenho do governo guineense em dar o nosso contributo para combater este flagelo, no quadro de ações conjuntas concertadas com os parceiros regionais e internacionais, conforme a natureza específica deste combate.

Constatamos com preocupação que, o embargo económico e financeiro imposto a Cuba, a mais de 50 anos, constitui um sério obstáculo para o desenvolvimento económico  e social deste país, pelo que reiteramos o nosso apelo para o seu levantamento.


Senhor Presidente,

Gostaríamos de saudar e encorajar os esforços redobrados das Nações Unidas, em particular do seu Secretário-Geral, pela visão e sensatez com que vem encarrando o problema das mudanças climáticas e seus efeitos na vida no planeta. A Cimeira sobre o clima, realizada aquí no passado dia 23 do corrente é testemunha eloquente disso.

Os eixos básicos que possam consubstanciar a viabilização de um desenvolvimento durável foram aflorados e parecem poder desencadear os consensos necessários ao estabelecimento de um regime climático global pós-Kyoto a bem de todos.

Os Objectivos do Desenvolvimento Durável, novo paradigma global do desenvolvimento a estabelecer para o pós-2015, deve ser alicerçada nas culturas e realidades objectivas dos povos e sem duvidas, inspirar-se nas lições dos Objectivos do Desenvolvimento do Milénio.

Importa sublinhar que as mudanças climáticas deixaram de ser uma ameaça para o futuro, tornando-se numa inequívoca ameaça para o presente. A incidência das mudanças que marcam o clima e determinam a vulnerabilidade das sociedades já se faz sentir com envergaduras cada vez mais imprevisíveis.

As perdas humanas, económicas e ecológicas que envolvem uma simples sociedade exposta como a do meu país, portanto, vulnerável, se expandem e ameaçam a sua sobrevivência e a possibilidade de prosseguir o desenvolvimento.

A elevação do nível do mar poderá afetar irreversivelmente as zonas costeiras, ilhas inteiras, vilas e cidades e outros acentamentos do litoral. Esta situação é particularmente preocupante para o meu país, enquanto país costeiro e arquipelágico, sofre  com os impactos climáticos e  poderá ver comprometidos os seus esforços de combate a pobreza e demais objetivos de desenvolvimento.

Apesar de todas as dificuldades que têm desafiado os esforços do meu país, na abordagem hólistica dos compromissos internacionais, actualmente constatamos com satisfação que 12% do território nacional se reputa de áreas protegidas e se prevê o dobro desta cifra no horizonte 2020.

Infelizmente, nos países florestais em vias de desenvolvimento como é o caso da Guiné-Bissau, meu país, a maior parte das populações continuam a ser tributaria desses recursos naturais, como sendo quase que o único meio para a sua sobrevivência. Por isso, para compensar esses esforços, alternativas tecnológicas e financeiras consequentes devem ser colocadas a disposição destas populações.


Senhor Presidente,

Termino a minha intervenção agradecendo às Nações Unidas, e expressando o nosso elevado apreço pelo significativo papel que a Comissão da Consolidação da Paz tem desempenhado no apoio ao processo de consolidação da estabilidade política e governativa.

Às instituições do Sistema das Nações Unidas, PNUD, UNICEF, PAM, FAO, FNUAP, OMS, que colaboram quotidianamente com o governo, coletividades de base e organizações não-governamentais no combate à pobreza e às vulnerabilidades das nossas populações e pelo respeito da dignidade humana, deixo aqui o nosso reconhecimento.

O povo guineense espera das vossas instituições um engajamento forte nesta nova fase, para acelerarmos as ações e nos  aproximarmos das metas do desenvolvimento do milénio.  A Guiné-Bissau, está mobilizada para fazer do seu território, um espaço de paz, de segurança humana e de acolhimento para todos os povos do mundo que com ela pretendam construir uma sociedade mais fraterna, segura, acolhedora e de progresso com todos os povos e culturas.

 

Muito Obrigado!