Nota do editor (PT/ENG)

21 de Novembro, na sede da ONU em Nova Iorque:

José Ramos-Horta faz a sua primeira Conferência de Imprensa na qualidade de Presidente da Comissão Independente de Alto Nível sobre as Operações de Paz.

Foi uma semana intensa, desde a sua chegada a Nova Iorque no dia 17 deste mês, começando com uma reunião com o Secretário-Geral da ONU, seguida de dois dias de retiro em Long Island, a uma hora de Manhattan, com todos os seus colegas da Comissão, e ouvindo “Think-Tanks” que se debruçaram sobre a temática dos desafios de paz e segurança no mundo.

Nos dias 20, 21 e 22, de volta à sede da ONU, Ramos-Horta debateu com o Conselho de Segurança (3 horas), a Quarta Comissão Política Especial da AG e a Quinta Comissão (questões orçamentais).

Observadores atentos da ONU, comentaram à margem das reuniões:

”Impressionante o seu à vontade, o domínio das questões, respondendo a perguntas delicadas e complexas com total à vontade e franqueza, a sua acessibilidade aos jornalistas”.

O próprio Ramos-Horta comentou: “Estou rodeado de uma equipa de 14 colegas, todos eles com brilhantes carreiras académicas e práticas, tendo servido todos eles em inúmeras missões da ONU. Além disso, tenho um Secretariado muito experiente, trabalhador, dedicado. E muito importante: o ambiente entre nós, os membros da Comissão é muito amigável, damos-nos muito bem. Além disso, tenho relações pessoais de amizade, confiança, respeito com todos os diplomatas, sem complexos, de superioridade ou de inferioridade”.

José Ramos-Horta não deixa de recorrer ao seu conhecido sentido de humor para desarmar algumas criticas. Por exemplo, ontem, perante a Quarta Comissão, completamente cheia com mais de 100 diplomatas, respondendo a uma observação feita por um dos diplomatas Europeus sobre o desequilíbrio no Painel, de haver muito poucas mulheres, Ramos-Horta respondeu: “Não vou comentar em relação a este assunto pois a escolha de membros do Painel foi feita pelo Sr. Secretário-Geral da ONU. Quanto a mim, só tenho que pedir desculpas de eu não ser mulher”.  A sala irrompeu em gargalhadas.

Ramos-Horta continua em Nova Iorque até ao dia 25 ainda com mais reuniões e à noite enceta viagem de regresso a Timor-Leste onde chega no dia 27.

No dia seguinte, 28 de Novembro, Ramos-Horta estará presente nas cerimónias de 28 de Novembro, em Aileu.

Fim

///

Editor’s note

21st of November, UN Headquarters in New York:

José Ramos-Horta made his first Press Conference as the President of the High Level Independent Commission regarding Peace Operations.

It was an intense week, starting with his arrival in New York on the 17th of November for a meeting with the UN Secretary-General, followed by two days in retreat in Long Island (one hour drive from Manhattan) with all his colleagues from the Commission, and listening to “Think-Tanks” that looked into the challenges of peace and safety all over the world.

On the 20th, 21st and 22nd of November, Ramos-Horta returned to UN headquarters where he debated with the Security Council (3 hours), The Fourth Special Political Commission of the GA and the Fifth Commission (Budget issues).

Close observers of the UN, comment besides the meetings:

“ It is impressive how comfortable he is, the know-how of the questions, answering delicate and complex questions with total ease and openness, and his accessibility to journalists.”

Ramos-Horta himself commented on this: “I am surrounded by a team of 14 colleagues, all of them with brilliant careers either academic or in the field, having served in numerous UN missions. Besides this, I have a very experient, dedicated and hard-working Secretariat. And very importantly, the environment between the members of the Commission is very friendly and we get along well. Moreover, I have personal relations of friendships, trust, respect to all the diplomats, without superiority or inferiority issues.”

José Ramos-Horta keeps using his known sense of humour to disarm some critics. For example, yesterday, before the Fourth Commission, completely filled with more than 100 diplomats, answering a comment made by one of the European diplomats about the gender imbalance on the Panel, where the amount of women was questioned, Ramos-Horta answered: “ I will not comment on that issue since the choice of Panel members is made by the UN Secretary-General himself. As for me, I can only apologise for not being a woman”. The room erupted in laughter.

Ramos-Horta will stay in New York until the 25th of this month, with more meetings where he will fly late in the day to Timor-Leste, arriving on the 27th.

On the following day, Ramos-Horta will be present at 28th of November celebrations in Aileu.

End