By Lyndal Rowlands for IPS- InterPress Service, News Agency

UNITED NATIONS, Dec 1 2014 (IPS) – Finding ways to better integrate the two arms of U.N. Peace Operations – Special Political Missions and Peacekeeping Operations – will be one of the priorities for a new review panel headed by Nobel Peace Laureate and former president of Timor-Leste José Ramos-Horta.

The review panel will look at how combined U.N. Peace Operations can respond to demands from the international community for increased responsiveness and effectiveness.

In light of recent reports of incomplete or untruthful reporting from U.N. Peace Operations, such as the investigation into an alleged mass rape in Tabit, Sudan, another pressing issue for the panel will be transparency and accountability.
In an interview with IPS, Ramos-Horta explained that the review was not a fact-finding mission but that serious events that happen on the ground “illustrate the need for serious thinking and changes, in the whole of the peacekeeping and political missions.

“The U.N. cannot be seen to shy away from reporting to the powers that be what happens on the ground. Because in not doing so we add to impunity,” he said.

The 14-member Panel on Peace Operations was announced on Oct. 31 by U.N. Secretary-General Ban Ki-Moon and quickly drew criticism for only having three female panel members. In response, an additional three female panel members were announced Monday.

The low representation of women on the panel, particularly initially, was considered incongruous with the U.N.’s public talk about greater participation from women in its peacebuilding activities.

Ramos-Horta told IPS last week “it is acknowledged that there is significant discrepancy, and as I understand there are well-placed, well-argued criticisms in regard to this imbalance.”

dpko-629x419Ramos-Horta said that utmost in the thinking of the panel will be the protection of women and children and the role of women in dialogue and peace agreements.

One of the new panel members is Radhika Coomaraswamy, a former Special Representative for Children and Armed Conflict, who is expected to help ensure the panel works together with plans for implementation of U.N. Security Council Resolution 1325.

This may represent some recognition of the need to move towards action after several years of talk on women’s role in the peace building agenda.

Ramos-Horta told IPS that the panel will work closely with U.N. Women and will listen to civil society and representative women’s groups more so in regions where they suffer the brunt of conflicts.

Balancing act with finite timeline

That the panel is also missing members from countries like the Democratic Republic of Congo, the Central African Republic and Sudan, where seemingly intractable conflicts have caused significant challenges for U.N. Peacekeeping in recent years, is another area for concern.

Ramos-Horta’s own experience with U.N. Peace Operations includes in his home country of Timor-Leste and in his recent role as U.N. Special Envoy to the Special Political Mission in Guinea-Bissau.

Consultation with representatives from countries at the receiving end of peace operations could help to identify new ways to control these conflicts that in some cases seem out of control.

Ramos-Horta said that one of the reasons that difficult conflicts have continued is in part due to a lack of local leadership and cooperation from local governments. For this reason, more consultation with representatives from these countries may be strategically wise.

But it is likely the the panel will feel that it is more pressed to focus on consulting with the governments of major troop and fund contributing countries, as well as the African Union and the NATO as the two other sources of multilateral peacekeepers.

Considering the spiraling scale and cost of U.N. Peace Operations, this will certainly be a priority for the review.

During the interview, Ramos-Horta also discussed the absence of a standing army or training camp for U.N. peacekeepers that would be ready to respond when crises erupt.

Ramos-Horta said that his own country of Timor-Leste had to turn to bilateral support in 2006, because the U.N. was unable to provide immediate assistance when violence re-ignited.

However, although a standing army may be able to bring conflicts under control faster through a faster response time, it would undoubtedly also provide new challenges in terms of financing.

Although one role of the panel will be to review peace operations in light of the changing nature of conflict, Ramos-Horta had a measured view of modern conflict.

He said it was important not to forget the horrors of past wars, such as the killing fields of Cambodia or the Iran-Iraq War.

Indeed, notwithstanding the complexity and severity of contemporary conflicts such as in the Democratic Republic of Congo and Syria, the average number of people killed by war each year has decreased since the end of the Cold War.

Over this same period, the scale of U.N. Peace Operations has increased.

Ramos-Horta said that there are now greater expectations on the international community to act quickly in response to conflict.

“Civil society has more access to information and demand action from governments, that’s why you see today much greater demand and pressure on the international community to act,” he said.

“I wish that in my own country [Timor-Leste] from 1975 onwards there had been digital media and there had been international outrage from the very beginning as it is now happening in regard to Central African Republic, for instance, or in regard to Iraq, Libya, Syria conflicts”, he said.

“The international community is demanding that the U.N. intervene faster and more effectively to end conflicts.”

One way of making Peace Operations more efficient is to also look at conflict prevention measures.

To this end, Ramos-Horta said that one of the aims of the review will be to look at how to better finance the Special Political Missions, the arm of U.N. Peace Operations that aims to reduce the need for peacekeepers by stemming conflicts at their source.

Currently the funding available to Special Political Missions, of which there are currently 11 worldwide, is limited.

While peacekeeping has it’s own separate, ballooning, budget that currently stands at seven billion dollars for the 2014-15 financial year, the secretary general has to find funds for the Special Political Missions from the already cash-strapped U.N. General Budget.

At the end of the day, the limited financial capacity of the U.N. to do the work the international community expects of it may be the greatest priority for the panel, despite the other practical considerations it will have to make.

Photo credits: Jared Ferrie/IPS and UN Photo/Loey Felipe

////

 

Com o multiplicar de guerras, a ONU olha profundamente para as Operações de Paz.

 

por Lyndal Rowlands para a IPS- InterPress Service, News Agency

 

Nações Unidas, 1 de Dezembro de 2014 (IPS) – Encontrar maneiras de melhorar a integração das duas forças de Operação de Paz da ONU – Missões Políticas Especiais e Operações de Manutenção de Paz – será uma das prioridades para o novo paínel  de análise liderado pelo Laureado com o Prémio Nobel da Paz e ex-Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta.

O paínel de análise irá investigar a melhor maneira de juntar as forças Operações de Paz da ONU para uma melhor resposta da comunidade internacional para um aumento de resposta e eficácia.

À luz dos recentes relatórios de informação incompleta ou falsa por parte das Operações de Paz da ONU, como a investigação na alegada violação em massa em Tabit, Sudan, um outro ponto de pressão para o paínel será a transparência e responsabilização.

Numa entrevista para o IPS, Ramos-Horta explicou que a análise não é uma missão de procura de factos mas que eventos que aconteceram no terreno e sérios “ilustrem a necessidade de pensar seriamente nestes assuntos e fazer alterações, em toda as missões políticas e de manutenção de Paz.

“A ONU não pode transparecer que se coíbe de reportar aos poderes o que se passa no terreno. Porque ao não fazê-lo, está a aumentar a impunidade”, disse Ramos-Horta.

O Paínel para as Operações de Paz constituído por 14 membros foi anunciado a 31 de Outubro pela ONU.

O Secretário-Geral Ban Ki-Moon rapidamente teve críticas por apenas incluir três mulheres como membros deste paínel. Em resposta, três novos membros femininos foram anunciados segunda-feira.

A baixa representação feminina no paínel, particularmente no início, era considerada incongruente com a palestra pública da ONU sobre a maior participação das mulheres nas suas atividades de construção de paz.

Ramos-Horta explicou à IPS na semana passada que “ é reconhecida a significante discrepância, e pelo que entendo, existem criticas bem argumentadas no que toca a este desequílibrio.

Ramos-Horta acrescentou ainda que a maior preocupação deste paínel será a protecção das mulheres e crianças assim como o papel da mulher no diálogo e acordos de paz. Uma das novas mulheres a entrar para este paínel é Radhika Coomaraswamy, uma ex-Representante Especial das Crianças e Conflitos Armados, que se espera que ajude o paínel a garantir um trabalho conjunto com planos para a implementação da Resolução 1325 do Conselho de Segurança da ONU.

Este passo irá representar algum reconhecimento da necessidade de por em prática esta acção depois de muitos anos de conversas sobre o papel das mulheres na agenda de contrução de paz.

Ramos-Horta disse à IPS que o paínel irá trabalhar muito de perto com a U.N. Women e que irá ouvir a sociedade civil e os grupos representativos das mulheres especialmente para as regiões onde sofrem mais com os conflitos.

 

 

 

Acto de equilíbrio com tempo determinado

 

O facto do paínel ter a falta de membros de países como a República Democrática do Congo, República Centro-Africana e Sudão, onde conflitos aparentemente são de pouca resolução e que causam desafios significantes para a Manutenção de Paz da ONU nos últimos anos, é outra aréa de preocupação.

A experiência de Ramos-Horta nas Operações de Paz da ONU incluí o processo de paz no seu país natal de Timor-Leste e o seu mais recente cargo como Enviado Especial para a Missão Política da ONU na Guiné-Bissau.

A consulta próxima dos representantes dos países que estão a receber estas operações de paz seria uma ajuda que iria identificar novas maneiras de controlar estes conflitos que em alguns casos aparentam estar fora de controlo.

Ramos-Horta disse que uma das razões para a qual os conflitos dificeis continuam é em parte devido a uma falta de liderança local e cooperação de governos locais. É por esta razão que uma maior consulta com representantes destes países seria estrategicamente inteligente.

Mas é provável que o paínel se vá sentir mais pressionado no foco da consulta a governos com as maiores tropas e que sejam doadores de fundos  assim como a União Africana e a Nato como as outras duas fontes de manutenção de paz multilateral.

Considerando a escala em espiral e os custos das Operações de Paz da ONU, esta será certamente a prioridade em análise.

Durante a entrevista, Ramos-Horta também discutiu a falta de uma base militar  ou campo de treino das Forças de Paz das Nações Unidas para que assim que um conflito exista, se consiga responder prontamente.

Ramos-Horta disse que o seu próprio país de Timor-Leste teve de recorrer a um apoio bilateral em 2006, porque a ONU estava incapaz de providenciar uma assistência imediata quando a violência reapareceu.

Contudo, e apesar de saber que uma força armada seria capaz de controlar os conflitos mais rapidamente através de uma resposta atempada,  esta solução iria certamente provocar novos desafios em termos de financiamento.

Embora um dos papéis do painel seja analisar as operações de paz em linha com a mudança actual do conflito, Ramos-Horta tem uma visão controlada dos conflitos modernos.

Afirmou que seria importante não esquecer os horrores de guerras do passado, como os campos de morte no Cambodja e na Guerra do Irão-Iraque.

Não obstante à complexidade e gravidade dos conflitos contemporâneos como o da República Democrática do Congo e da Síria, o número médio de pessoas mortas pela guerra tem diminuído de ano para ano desde o fim da Guerra Fria. Durante este período, a escala de Operações de Paz da ONU aumentou.

 

Ramos-Horta disse que existem agora maiores expectativas da comunidade internacional para agir rapidamente na sua resposta aos conflitos.

“A Sociedade Civil tem um maior acesso a informação e exige acção dos governos, e é por isso que se vê hoje uma maior exigência e pressão da comunidade internacional para actuar”, acrescentou.

“ Eu gostaria que o meu país (Timor-Leste) apartir de 1975 tivesse tido mídia digital e que tivesse tido indignação internacional desde o íncio como acontece hoje em dia nas questões da República Centro-Africana , por exemplo, ou nas questões de conflito do Iraque, Líbia ou Siria.”

Uma maneira de fazer as Operações de Paz mais eficazes é também olhar para as medidas de prevenção de conflitos.

Para este fim, Ramos-Horta afirmou que um dos objectivos da análise será olhar para uma maneira de melhor financiar as Missões Políticas Especiais, o braço das Operações de Paz da ONU que tem como objectivo reduzir a necessidade de introduzir forças de paz consegundo assim resolver os conflitos na sua origem.

Actualmente os fundos disponíveis para as Missões Políticas Especiais, que neste momento são 11 a nível mundial, são limitadas.

Embora a manutenção de paz tenha o seu orçamento separado, que actualmente está nos 7 mil milhões de doláres para o ano fiscal de 2014-15, o Secretário-Geral tem de encontrar fundos para as Missões Políticas Especiais do já apertado Orçamento Geral das Nações Unidas.

No fim de tudo, a maior prioridade que o paínel tem é conseguir conjugar a capacidade financeira limitada da ONU para fazer o seu trabalho e o que a comunidade internacional exige desta mesma organização, apesar das outras considerações práticas que terá que fazer.