From Cairo…a bird-eye view of a region in turmoil

 

After three days of intense and fruitful meetings in Cairo (4-6 March) – with only 2 hours off to see the pyramids – we travelled to New York for meetings here and in Washington.

By the time you have read this posting, I’m somewhere, up in the clouds, flying home. I left Dili mid January and only now, exactly two months later, after two months of marathon travels and meetings, I am able to return home and for about 10 days only.

I and Colleagues – Ameerah Haq, Rima Salah, Lynne Pascoe, Alexander Ilitchev, Mahmoud Youssef and Xuexian Wang – joined by Under-Secretary-General of Peace-Keeping Operations Herve Ladsous, spent several days in Cairo, continuing our world outreach, listening and eliciting ideas on how the UN should better manage the extraordinarily complex challenges of a world in turmoil and transition.

The Cairo consultations with Arab Governments was co-hosted by the UN High Level Independent Panel on Peace Operations in partnership with the Egyptian Foreign Ministry and the Cairo Center for Conflict Resolution and Peace-building in Africa.

We were joined by senior officials of the League of Arab States and the Organisation of the Islamic Conference, members of civil society and think-tankers from the Arab world, senior military officers, UN Envoys based in Syria, Lebanon, Iraq.

The Cairo Arab and Africa Regional Consultation was preceded by the Asia-Pacific consultations held in Dhaka, at the end of January; this was followed by seminars and consultations in Tokyo, Islamabad and Delhi.

Our broad Africa outreach was held in Addis Ababa, HeadQuarters of the African Union, in mid February, followed by meetings with EU and NATO in Brussels, workshops in Amsterdam and Helsinki, in the course of the last week of Feb.

On the agenda were timely themes like “Use of Force and Protection of Civilian Population”, “Prevention and Mediation”, “Women, Peace and Security”, etc.

 

***

On the edges of the Nile

In Cairo we met on the edges of the majestic Nile that bathes this ancient city and which for thousands of years has ensured the livelihood of tens of millions of peoples. The very survival of Egypt depends on the normal flow of the Nile.

The Ethiopians have begun work upstream in 2013 on the largest dam in Africa at the projected cost of more than $4 billion, generating 6,000 Megawatts of electricity, enough for all the countries of the region and as far away as South Africa and Morocco. The dam – 1,780 meters long and 145 meters high – is expected to be completed by 2017.

But while the governments of the three main countries that share the Nile (Ethiopia, Sudan and Egypt) have reached an important agreement on the mechanism for operating the Ethiopia’s Grand Renaissance Dam, many in Egypt are worried that the process of filling up the dam 74 billion cubic meter reservoir will inevitably reduce the flow of water downstream and undermine all activities and life that are dependent on the regular flow of the water, from agriculture to animal life, fisheries, etc.

Furthermore the water evaporation in the new huge artificial lake will permanently reduce the flow of water in Egypt.

By two old treaties (the treaties of 1929 and 1959) Egypt is entitled to 87 per cent of the Nile’s water. Any significant change in this Egyptian entitlement could very well heighten tensions and conflict between the major African countries.

Will the Ethiopian Grand Renaissance Dam (or Dream) contribute to Africa’s long postponed prosperity? Or will it turn into an ecological disaster and bring conflicts among the peoples and countries for whom the Nile has been over thousands of years very much central to their history, identity, livelihood, pride, spirituality – and survival.

 

***

Middle East Inferno, Tunisia Hope, Freedom for the Brave Kurdish

For several days we heard senior Govt ministers, diplomats of the League Arab States, reputed regional think-tanks and Arab civil society, elaborate on the complex and volatile social, political and security landscape of the region – from Cairo to Sinai, to the disintegrating post-Ottoman States of Libya, Iraq and Syria; we heard about a Lebanon on edge overwhelmed by over 2 million refugees; on an apparently peaceful but extremely tense Jordan also overwhelmed by destitute families fleeing the twin wars in neighbouring Iraq and Syria; and we heard the more promising but very cautious reports on developments in Tunisia, where all began three years ago.

An exciting so-called “Arab Spring” melted into an inferno of violence, of unimaginable barbarities inflicted by Arabs against Arabs, Muslims against Muslims – and against the myriad ethnic and religious minorities of this region.

It seems that French and British colonial fabrications laid on top of the tomb of the defunct Ottoman Empire are unravelling. Borders are being redrawn although no one is talking about it.

After decades of wars of ethnic cleansing that included the use of chemical weapons – there might be finally a free, independent Kurdish homeland.

The much feared Iraqi army (heroic only in using chemical weapons against civilian Shias and Kurdish during the Saddam Hussein era melted in the face of the unrelenting assault by ISIS. It were Kurdish men and women fighters who battled the overwhelming fire power of ISIS and delivered the ISIS barbarians their first defeats in the battle front.

The Kurdish have won the right to a free, democratic homeland. What constitutional shape such homeland will have (federation, confederation, full independence?) will be a matter to be decided hopefully in negotiations between Iraqi Kurdish and Iraqi leaders; in the absence of a mature, solid and pragmatic Constitutional arrangement that recognises a de facto independent Iraq Kurdistan within a larger federal Iraq, Iraqi Kurdish will have no choice but to opt for a complete break with Iraq.

Same time, it is hoped that the Kurdish leadership in Turkey and the Govt in Ankara will agree on a broad autonomy arrangement for the Kurdish within a democratic Turkey.

The same approach should be considered by all parties in Iran concerning the rights and status of Iranian Kurdish. On the other hand, the Kurdish in Syria might not see any incentive in staying within Syria, particularly in a devastated Syria; so the French Syria creation might see its map redrawn.

 

***

 

Netanyahu, the serial blundered (The Economist magazine)

While in Cairo we heard bits of Prime Minister Netanyahu of Israel address to the U.S.; the performance seemed like an extraordinary display of defiance of the U.S. President. Once called by the Economist magazine a “serial blunderer”, Netanyahu has spoken more often before the US Congress than any past or living world leader…more than even the late Mandela.

The veteran and former US Congress Speaker Nancy Pelosi articulated the sentiments of millions of Americans at the spectacle of the Israeli leader lecturing the American President:

“…as one who values the U.S. – Israel relationship, and loves Israel, I was near tears throughout the Prime Minister’s speech – saddened by the insult to the intelligence of the United States as part of the P5 +1 nations, and saddened by the condescension toward our knowledge of the threat posed by Iran and our broader commitment to preventing nuclear proliferation.”

Only the late Hugo Chavez of Venezuela and Ahmadinejad of Iran treated an American President with such disdain.

In Cairo and from Cairo we can sense the real existential threats facing the Jewish State. Not so much because of Iran potentially acquiring nuclear weapons but in reality this is because of Israel’s own policies towards the millions of Palestinians who are crowded and ghettoed in Gaza, being continuously robbed of their land in West Bank, humiliated and incarcerated daily, and forced to be eternal refugees.

That Jews from anywhere in the world have the perpetual right to return to the Land of Israel but Palestinians expelled from their ancestral lands since 1949 do not have the same rights has built-up a time-bomb that will ignite any time.

But I do not buy the self-serving discourse by the other side that all problems in the region are of Israeli and US making. In reality Arabs and Palestinian leaderships have a catalogue of missed opportunities, miscalculations and fatal decisions that contributed to the situation of no war, no peace, a region always on the edge.

Arab despots created political systems of repression, extreme poverty and inequality that are responsible for the popular anger and uprisings. Some of these dictators are gone from the scene and at least in one case – Tunisia – the flowers of the Arab Spring have not died.

However, Israel is at least partly responsible for the climate of mistrust and resentment in the region. In the late 1970’s the then President of Egypt Anwar Sadat embarked on a courageous peace journey with Israel and paid a huge political and moral price as his historic overture to Israel was almost universally repudiated throughout an Arab world, an Arab world  of which Egypt saw itself as the leader and custodian.

While Egypt regained Sinai and much US economic and financial assistance, the abject failure of the farcical “Middle East Peace Process” in delivering a viable independent Palestinian entity gravely humiliated the proud Egyptians.

For Egypt, cradle of Arab civilisation, the costs have far outweighed the benefits of the peace agreement with the Jewish State.

On the other hand, it is to be expected that the Israelis, moulded by centuries of a tragic history of persecution, the Holocaust and three wars of aggression, are not people to be intimidated and easy to negotiate with. They possess the most formidable army and military arsenal in the region (with at least 200 nuclear bombs) and are unconditionally backed by the still most powerful country on earth.

However, if and when Palestinians in Gaza, West Bank, Lebanon, Jordan and across the world rise up in civil disobedience and peaceful protests, the mighty Israeli army will not fire a single shot. Fortunately, for all its faults and acts of brutality committed by elements of the Israeli army, the IDF is not the ruthless Iraqi, Syrian or Iranian armies. Young Israeli men and women in uniform will not fire upon unarmed Arab youth, women and children.

 

***

 

Christianity and Islam

Islam is going trough similar convulsions and wars that plagued Christianity centuries earlier when thousands of Christian “heretics” were burned alive on the orders of the Pope or corrupt and despotic bishops.

Islam did not experience similar convulsions in that period. The wars within Islam are happening centuries after the Christian wars, and far more more deadly because of the easy availability of sophisticated weapons, mobility of people and finances, conditions that did not exist even just a few decades ago. Social media brings into our living rooms, coffee tables, bus rides, images of the killings perpetrated mostly by Muslims against Muslims.

Time and again violence will be brought home to the streets in the US, Europe, and other Western cities and homes. The scale of violence may very well escalate and may happen more often, brought in by groups emanating from the Middle East or generated locally among the alienated youth in suburbs of US and European cities. Some, maybe even many, will be the work of lonely individuals; some will be part of well organised extremist groups.

But they will be defeated. Not by force. To neutralise these elements or groups more resources have to be mobilised, better trained and equipped special police forces; better intelligence; etc. But in the end, this is a battle of ideas, a battle of modern, humanist Christianity within itself not to return to the middle ages of intolerance; it is a battle within Islam between the forces of 21st Century liberal humanist tolerant Islam and the extremist medieval ideology of the suni salafists and others.

Christians and moderate Muslims, moderate Hindus and Buddhists will win this battle against the extremists if they do not succumb to despair and fear that often lead to overreaction and violence. They must display and practice tolerance and compassion as in fact Europe has done for decades in hosting millions of people from the world over who fled poverty, wars and tyranny.

Europe was and has been generous but never too enlightened in managing and nurturing diverse ethnic and religious diversity. Opportunist politicians of the far right do not bother to look for answers to their countries’ social and economic malaise in their own obsolete political systems and policies that tend to disfranchise and alienate too many.

 

Is there hope?

I believe we will witness years of convulsion and violence. We might even witness biological warfare unleashed by extremists. But in the end, good will prevail over evil…as long the good does not descend to the same level of barbarity of the evil.

 

JRH

 


______

Do Cairo…uma visão panorâmica de uma região em crise

 

Depois de três dias de reuniões intensas e produtivas no Cairo (4 a 6 de Março) – com apenas duas horas para ver as pirâmides – viajámos para Nova Iorque para reuniões aqui e em Washington.

Por altura de lerem este texto, estarei algures, bem alto nas nuvens a viajar para casa. Deixei Dili a meio de Janeiro e só agora, exactamente dois meses depois, com dois meses de viagens ao estilo de maratona e consequentes reuniões, estou a voltar para casa e apenas por dez dias. ☹

Eu e os meus colegas – Ameerah Haq, Rima Salah, Lynne Pascoe, Alexander Ilitchev, Mahmoud Youssef e Xuexian Wang – juntamente com o Sub-Secretário-Geral das Operações de Manutenção de Paz, Herve Ladsous, estivemos alguns dias no Cairo, continuando o nosso périplo mundial de ouvir e suscitar ideias em como a ONU poderá melhorar os desafios extraordinariamente complexos de um mundo em crise e em transição.

 

As consultas no Cairo com os Governos Árabes foram co-organizadas pelo Painel Independente de Alto Nível Para as Operações de Paz em parceria com o Ministério dos Negócios Estrangeiros Egípcio e o Centro de Resolução de Conflitos e Manutenção de Paz em Africa no Cairo.

À nossa missão juntaram-se os oficiais seniores da Liga de Estados Árabes e a Organização de Cooperação Islâmica (OIC), membros da sociedade civil, grupos de reflexão do mundo Árabe, Oficiais Militares seniores, enviados da ONU na Síria, Líbano e Iraque.

A Consulta Regional Árabe e de Africa no Cairo foi precedida de consultas na região da Àsia-Pacifico, realizadas em Dhaka, no final de Janeiro; foi seguido depois de seminários e consultas em Tóquio, Islamabad e Deli.

A nossa consulta mais ampla sobre Africa foi realizada em Addis Abaha, sede da União Africana, a meio de Fevereiro, seguida de reuniões com a União Europeia e Nato em Bruxelas, com workshops em Amesterdão e Helsínquia, durante a última semana de Fevereiro.

Na ordem do dia foram temas: “ Usa da Força e Protecção da População Civil”, “Prevenção e Mediação”, “ Mulheres, Paz e Segurança”, etc.

 

***

 

Nas Margens do Nilo

 

No Cairo, os nossos encontros foram nas margens do majestoso Nilo que banha esta cidade antiga e que durante milhares de anos tem assegurado o sustento de dezenas de milhões de pessoas. A própria sobrevivência do Egipto depende do fluxo normal do Nilo.

Os etíopes começaram construções em 2013 para a maior barragem de África com um custo projectado de $4 mil milhões, gerando 6,000 Megawatts de electricidade, o suficiente para todos os países da região chegando até à Africa do Sul e Marrocos. A barragem – com 1,780 metros de comprimento e 145 metros de altura  – está prevista que seja concluída em 2017.

Mas enquanto os governos dos três principais países que partilham o Nilo (Etiópia, Sudão e Egipto) já chegaram a um acordo importante sobre o mecanismo de operação do Ethiopia´s Grand Renaissance Dam, muitos no Egipto estão preocupados com o processo de enchimento da barragem – 74 mil milhões cúbicos de água – que irão inevitavelmente reduzir o fluxo da água a jusante e minar todas as actividades e vida que estão dependentes do fluxo regular de água, desde a agricultura à vida animal, pesca, etc.

Além disso, a evaporação da água no novo lago artificial gigante irá reduzir permanentemente o fluxo de água no Egipto.

De acordo com dois tratados antigos (o tratado de 1929 e o de 1959), o Egipto tem direito a 87% da água do Nilo. Qualquer mudança significativa a este direito egípcio poderá aumentar as tensões e conflitos entre os maiores países africanos.

Irá a Ethiopian Grand Renaissance Dam (ou Dream) contribuir para a tão aguardada prosperidade Africana?  Ou irá tornar-se um desastre ecológico e trazer conflitos entre os povos e países para quem o Nilo tem sido durante milhares de anos um peça central da sua história, identidade, sustento, orgulho, espiritualidade e sobrevivência.

 

***

 

Inferno no Médio Oriente, Esperança na Tunísia, Liberdade para os Bravos Curdos.

Durante muitos anos temos ouvido os ministérios dos Governos, diplomatas da Liga dos Estados Árabes, reputados grupos de reflexão e a sociedade civil Árabe  elaborar sobre a complexa, socialmente volátil, política e segurança do panorama da região – desde o Cairo a Sinai, até os desintegrados Estados Pós-Otomanos da Líbia, Síria e Iraque; ouvimos falar de um Líbano no seu limite oprimido com mais de 2 milhões de refugiados; numa aparente pacífica Jordânia mas extremamente tensa também oprimida por famílias destituídas fugindo de guerras pares na vizinha Síria e Iraque; e ouvimos também sobre os relatórios promissores mas cautelosos dos desenvolvimentos na Tunísia, onde tudo começou há três anos.

Uma emocionante “Primavera Árabe” derreteu-se num inferno de violência, de barbaridades inimagináveis infligidas por Árabes contra Árabes, Muçulmanos contra Muçulmanos – e contra as minorias étnicas e religiosas da região.

Parece que as colónias Francesas e Inglesas fabricadas sobre os túmulos do Império Otomano se estão a desfazer. Fronteiras estão a ser redesenhadas apesar de ninguém o referir.

Depois de décadas de guerras de limpeza étnica incluindo o uso de armas químicas – pode haver, finalmente, uma pátria Curda, livre.

O muito temido exército Iraquiano (heróicos apenas no uso de armas químicas contra populações Xiitas civis e Curdas durante o regime de Saddam Hussein estão a derreter na face dos assaltos implacáveis do Estado Islâmico. Foram os homens e Mulheres Curdos que batalharam contra o poder de fogo esmagador do Estado Islâmico e que entregaram aos bárbaros do EI as suas primeiras derrotas na linha da frente da batalha.

Os Curdos ganharam o direito a uma pátria livre e democrática. Que forma constitucional é que está pátria terá (Federação, Confederação, Independência Total?) será uma questão a ser decidida, espero, em negociações ente os Curdos Iraquianos e os líderes Iraquianos; na ausência de um acordo constitucional maduro, sólido e pragmático que reconheça de facto um Iraque Curdo Independente juntamente com um maior Iraque federal, os Curdos Iraquianos não terão outra escolha a não ser optar por uma ruptura completa com o Iraque.

Ao mesmo tempo, esperamos que a liderança Curda na Turquia e o Governo de Ankara concordem com um acordo de ampla autonomia para os Curdos dentro de uma Turquia democrática.

A mesma abordagem deverá ser considerada para todas as partes no Irão, relativas aos direitos e estatutos dos Curdos Iranianos. Por outro lado, os Curdos na Síria podem não ver qualquer incentivo em ficar no seio da Síria, particularmente uma Síria devastada; assim a Síria Francesa poderá ver o seu mapa redesenhado.

 

***

 

Netanyahu, the serial blundered ( The Economist magazine)

 

Durante a nossa estadia no Cairo ouvimos excertos do discurso do Primeiro-Ministro de Israel dirigido aos Estados Unidos da América; o desempenho parecia uma extraordinária exibição de desafio ao Presidente dos EUA. Uma vez chamado pela revista do Economist “Serial blundered”, Netanyahu já discursou mais vezes perante o congresso americano do que qualquer outro líder mundial…mais até que o já falecido Mandela.

A veterana e ex-Porta-Voz do Congresso Americano, Nancy Pelosi, articulou o sentimento de milhões de Americanos sobre o espectáculo das palestras do líder Israelita sobre o Presidente Americano:

“…como alguém que valoriza a relação EUA-Israel, e que adora Israel, fiquei à beira das lágrimas durante todo o discurso do Primeiro-Ministro – entristecida pelo insulto à inteligência dos Estados Unidos, como parte das nações P5+1 e triste pela condescendência para com o nosso conhecimento da ameaça representada pelo Irão e o nosso compromisso mais amplo de prevenção da proliferação nuclear.”

Somente o já falecido Hugo Chavez da Venezuela e Ahmadinejad do Irão ameaçaram um Presidente Americano com tanto desdém

No Cairo e a partir do Cairo, sentimos a existência real de uma ameaça perante o Estado Judeu. Não tanto pela possibilidade de o Irão poder adquirir armas nucleares mas na realidade por causa das políticas de Israel para com os milhões de Palestinianos que estão lotados em Gaza, sendo continuamente roubados da sua terra na Cisjordânia, humilhados e encarcerados diariamente, e forçados a ser eternos refugiados

Que os Judeus de qualquer parte do mundo tenham o direito perpetual de voltarem à Terra de Israel mas que Palestinianos expulsos das suas terras ancestrais desde 1949 não o tenham está a criar uma bomba que irá rebentar a qualquer momento.

Mas eu não compro o discurso do outro lado de que todos os problemas são criados por Israel e os EUA. Na realidade, as lideranças Árabes e Palestinianas têm um vasto catalogo de oportunidades perdidas, erros de cálculo e decisões fatais que contribuíram para a situação de nenhuma guerra, nenhuma paz, uma região sempre no limite.

Déspotas Árabes criaram sistemas políticas de repressão, pobreza extrema e desigualdades que são responsáveis pelas raivas e revoltas populares. Alguns destes ditadores já desapareceram de cena e em pelo menos um caso – Tunisia – as flores da Primavera Árabe não morreram.

No entanto, Israel é pelo menos parcialmente responsável pelo clima de desconfiança e ressentimento na região. Nos finais dos anos 70, o então Presidente do Egipto Anwar Sadat embarcou numa jornada de paz corajosa com Israel e pagou um preço gigante tanto moralmente como politicamente que a sua abertura a Israel foi quase universalmente repudiada pelo mundo Árabe da qual o Egipto se viu como líder e custodiante.

Enquanto o Egipto recuperou Sinai e muita da assistência económica e financeira dos EUA, o abjecto fracasso da Farsa “Processo de Paz do Médio Oriente” em entregar uma entidade independente viável da Palestina humilhou gravemente os orgulhosos egípcios.

Para o Egipto, berço da civilização Árabe, os custos já muito superaram os benefícios do acordo de paz com o Estado Judeu.

Por outro lado, é de esperar que os Israelitas, moldados por séculos de uma história trágica de perseguição, o Holocausto e três guerras de agressão, não são um povo que se intimide e fácil de negociar. Eles possuem um exército formidável e um arsenal militar na região (com pelo menos 200 bombas nucleares) e são incondicionalmente apoiados pela ainda maior potência mundial do mundo.

No entanto, se e quando os Palestinos em Gaza, Cisjordânia, Líbano, Jordânia e por tudo o mundo se levantar em desobediência civil e protestos pacíficos, o tão poderoso exército Israelita não disparará uma única bala. Felizmente, por todos os seus defeitos e actos de brutalidade cometidos por elementos do Exército Israelita, a IDF não é como os exércitos implacáveis do Iraque, Síria e Irão. Jovens homens e mulheres de Israel em uniforme não irão disparar sobre jovens, mulheres e crianças Árabes.

 

***

 

Cristianismo e Islão

 

O Islão está a passar por convulsões e guerras que assolaram o Cristianismo há séculos atrás quando milhares de “hereges” cristãos foram queimados vivos por ordens do Papa ou Bispos corruptos e despóticos.

O Islão não passou pela mesmas convulsões nesse período. As guerras dentro do Islão estão a acontecer séculos depois das guerras Cristãs, e estão a ser muito mais mortíferas por causa do fácil acesso a armas mais sofisticadas, mobilidade das pessoas e dinheiro, condições que não existiam nem na altura nem até há pouco tempo. As redes sociais trazem até às nossas salas, mesas, viagens de autocarro, imagens de assassinatos perpetrados maioritariamente por Muçulmanos contra Muçulmanos.

Uma e outra vez a violência será levada para nossas casas e ruas dos EUA, Europa e outras cidades e casas ocidentais. A escalada da violência pode muito facilmente aumentar e pode também acontecer com mais frequência, trazida por grupos que emanam do Médio Oriente or gerados localmente entre os alienados, juventude dos subúrbios dos EUA e de cidades Europeias. Alguns, talvez até muitos, serão trabalho de solitários; alguns serão parte de grupos extremistas extremamente bem organizados.

Mas eles serão derrotados. Não pela força. Para neutralizar estes elementos ou grupos mais recursos terão de ser mobilizados, forças especiais mais bem treinadas e mais bem equipadas, melhor serviços de inteligência, etc. Mas no fim de tudo, isto é uma batalha de ideias, uma batalha de um moderno e humanista Cristianismo dentro de si para não voltar às intolerâncias da Idade Média; é uma batalha de dentro do Islão entre as forças humanistas liberais e tolerantes do Islão do séc. XXI e as ideologias extremistas medievais dos Suni e outros.

Cristãos e Muçulmanos moderados, Hindus moderados e Budistas irão ganhar esta guerra com os extremistas se não sucumbirem ao desespero e medo que geralmente levam a reacções exageradas e violência. Eles têm de demonstrar e praticar tolerância e compaixão como de facto a Europa tem feito há décadas ao receber milhões de pessoas de todo o mundo que fugiram da pobreza, guerra e tirania.

A Europa foi e tem sido generosa mas nunca foi muito iluminada na gestão de diversas etnias e na diversidade religiosa. Políticos oportunistas da extrema direita não se importam em procurar respostas para o mal-estar social e económico nos seus sistemas políticos obsoletos e suas políticas que tendem a alienar e esquecer muitos.

 

Haverá esperança?

Eu acredito que vamos testemunhar anos de convulsão e violência. Podemos até testemunhar uma guerra biológica desencadeada por extremistas. Mas no fim, iremos prevalecer sobre o mal…desde que o bem não desça ao mesmo nível que a barbaridade do mal.

 

JRH